Ações afirmativas no Brasil - V. 01 - Experiências bem-sucedidas de acesso na pós-graduação
Passe o mouse na imagem para ver detalhes + Ampliar

Ações afirmativas no Brasil - V. 01 - Experiências bem-sucedidas de acesso na pós-graduação

Amélia Artes, Sandra Unbehaum, Valter Roberto Silvério
  • Cód: 9788524925078

por R$ 52,00  

Disponível em Estoque. Entrega em 2 dias úteis para a cidade de São Paulo (para pedidos efetuados até as 11h; após este horário, entrega em 3 dias úteis).

Outras localidades: Grande São Paulo e Interior de SP: de 2 a 4 dias úteis. Outras Capitais: de 2 a 4 dias úteis. Interior de Outros Estados: de 5 a 15 dias úteis. Os pedidos serão atendidos conforme a disponibilidade de estoque.

  • Cortez Editora
  • Organizador: Sandra Unbehaum, Amélia Artes, Valter Roberto Silvério
  • ISBN: 9788524925078
  • Número de páginas: 288
  • Formato: 16.00 x 23.00
  • Peso: 440 gramas

SINOPSE As políticas de ação afirmativa para acesso ao ensino superior brasileiro completam 15 anos e, apesar de presentes em vários programas de pós-graduação desenvolvidos em diferentes iniciativas, visando a equidade na representação de negros e ou indígenas nesse espaço mais elevado de escolarização, ainda provocam inúmeros debates e questionamentos no meio acadêmico e fora dele. Registrar experiências exitosas que, desde 2011, se desenvolveram em universidades brasileiras é essencial para qualificar esse debate. Esta coletânea, ao relatar as iniciativas de cursos de formação pré-acadêmica que auxiliaram negros e/ou indígenas no ingresso em programas de pós-graduação, apresenta também as dificuldades, as boas práticas e os desafios que devem ser enfrentados para que se consolide uma mudança no perfil racial e étnico da população acadêmica e científica brasileira. Que a leitura inspire novas iniciativas e contribua na discussão qualificada dos desafios para a construção de uma educação pública e de qualidade para todos.

Amélia Artes

Amélia Artes é psicóloga e pedagoga, com mestrado e doutorado em Educação pela Universidade São Paulo. Pesquisadora da Fundação Carlos Chagas desde 2012, trabalhou em diferentes projetos nas áreas de educação infantil ao ensino superior. Suas pesquisas e publicações privilegiam as análises de bases de dados consolidados para caracterização do acesso à garantia de uma educação de qualidade para todos. É Docente da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo.

Sandra Unbehaum

Sandra Unbehaum é, desde 1995, pesquisadora do Grupo Gênero, Direitos Humanos, Raça/Etnia, no Departamento de Pesquisas Educacionais, da FCC. Fez mestrado em Sociologia pela Universidade de São Paulo e doutorado em Educação: Currículo pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Tem publicações sobre políticas educacionais e gênero, educação em sexualidade e diversidade sexual, direitos humanos na pós-graduação, seus principais temas de pesquisa e ativismo. Desde 2009 coordena o Departamento de Pesquisas Educacionais.

Valter Roberto Silvério

Sociólogo, com mestrado pela Unesp e doutorado pela Unicamp, e professor do programa de Pós-Graduação e do Departamento de Sociologia da UFSCar e Vice-presidente do International Scientific Committee for Volume IX of the General History of Africa (GHA - UNESCO). Suas pesquisas recobrem o campo dasa relações raciais no Brasil contemporâneo e dos estudos sobre diáspora africana.
As políticas de ação afirmativa para acesso ao ensino superior brasileiro completam 15 anos e, apesar de presentes em vários programas de pós-graduação desenvolvidos em diferentes iniciativas, visando a equidade na representação de negros e ou indígenas nesse espaço mais elevado de escolarização, ainda provocam inúmeros debates e questionamentos no meio acadêmico e fora dele. Registrar experiências exitosas que, desde 2011, se desenvolveram em universidades brasileiras é essencial para qualificar esse debate. Esta coletânea, ao relatar as iniciativas de cursos de formação pré-acadêmica que auxiliaram negros e/ou indígenas no ingresso em programas de pós-graduação, apresenta também as dificuldades, as boas práticas e os desafios que devem ser enfrentados para que se consolide uma mudança no perfil racial e étnico da população acadêmica e científica brasileira. Que a leitura inspire novas iniciativas e contribua na discussão qualificada dos desafios para a construção de uma educação pública e de qualidade para todos.