Alfabetização dos alunos das classes populares - ainda um desafio
Passe o mouse na imagem para ver detalhes + Ampliar

Alfabetização dos alunos das classes populares - ainda um desafio

Regina Leite Garcia
  • Cód: 9788524919084

Black Friday - R$9,90 - 36
de R$ 36,00por R$ 9,90 Economize R$ 26,10

Disponível em Estoque. Entrega em 2 dias úteis para a cidade de São Paulo (para pedidos efetuados até as 11h; após este horário, entrega em 3 dias úteis).

Outras localidades: Grande São Paulo e Interior de SP: de 2 a 4 dias úteis. Outras Capitais: de 2 a 4 dias úteis. Interior de Outros Estados: de 5 a 15 dias úteis. Os pedidos serão atendidos conforme a disponibilidade de estoque.

  • Cortez Editora
  • Coleção: Nova Coleção Questões da Nossa Época
  • Organizador: Regina Leite Garcia
  • ISBN: 9788524919084
  • Número de páginas: 104
  • Formato: 14.00 x 21.00
  • Peso: 140 gramas

SINOPSE Alfabetizar as crianças das classes populares no Brasil ainda é um desafio. Ao contrário de alfabetizar todas as crianças em idade de escolaridade obrigatória, a escola vem sendo uma fábrica de produção de analfabetos. A cada ano entram na escola milhares de crianças que já trazem importantes conhecimentos sobre a linguagem escrita, já que vivem numa sociedade letrada, e, na escola, vão sendo colocadas na fôrma do "método", o que não só as faz esquecer a função social da escrita, como as faz aprender a sua incapacidade para aprender.

Regina Leite Garcia

Regina Leite Garcia é professora emérita da Universidade Federal Fluminense (UFF), pesquisadora do CNPq e coordenadora do Grupalfa - Grupo de Pesquisa Alfabetização dos alunos e alunas das classes populares.
Alfabetizar as crianças das classes populares no Brasil ainda é um desafio. Ao contrário de alfabetizar todas as crianças em idade de escolaridade obrigatória, a escola vem sendo uma fábrica de produção de analfabetos. A cada ano entram na escola milhares de crianças que já trazem importantes conhecimentos sobre a linguagem escrita, já que vivem numa sociedade letrada, e, na escola, vão sendo colocadas na fôrma do "método", o que não só as faz esquecer a função social da escrita, como as faz aprender a sua incapacidade para aprender.