Cenários, contradições e pelejas do Serviço Social Brasileiro
Passe o mouse na imagem para ver detalhes + Ampliar

Cenários, contradições e pelejas do Serviço Social Brasileiro

Ana Elizabete Simões da Mota, Angela Santana do Amaral
  • Cód: 9788524925047

Confira algumas páginas

por R$ 64,00 2x de R$ 32,00 sem juros  

Disponível em Estoque. Entrega em 2 dias úteis para a cidade de São Paulo (para pedidos efetuados até as 11h; após este horário, entrega em 3 dias úteis).

Outras localidades: Grande São Paulo e Interior de SP: de 2 a 4 dias úteis. Outras Capitais: de 2 a 4 dias úteis. Interior de Outros Estados: de 5 a 15 dias úteis. Os pedidos serão atendidos conforme a disponibilidade de estoque.

  • Cortez Editora
  • Organizador: Ana Elizabete Simões da Mota, Angela Santana do Amaral
  • ISBN: 9788524925047
  • Número de páginas: 320
  • Formato: 16.00 x 23.00
  • Peso: 480 gramas

SINOPSE As transformações recentes no processo de produção e reprodução social impõem importantes desafios à formação e ao exercício profissional no âmbito do Serviço Social. É tarefa fundamental para o pensamento social crítico, no interior do Serviço Social brasileiro, analisar a realidade e extrair delas as condições para enfrentar os desafios contemporâneos. O livro organizado por Ana Elizabete Mota e Angela Amaral, Cenários, contradições e pelejas do Serviço Social brasileiro, que reúne artigos frutos de estudos e pesquisas de autores já consagrados na profissão e de uma nova geração de pesquisadores, constitui fonte imprescindível para estudantes, pesquisadores e militantes do Serviço Social. Inspirados na tradição filosófica inaugurada por Karl Marx, os autores da presente coletânea enfrentam questões teóricas e políticas contemporâneas, apresentando importantes reflexões para pensar a sociedade capitalista e o Serviço Social em pleno século 21. Para pelejar, os autores recorrem às armas da crítica, e é isso o que o leitor tem em mãos.

Ana Elizabete Simões da Mota

Ana Elizabete Mota é graduada em Serviço Social pela Universidade Federal de Pernambuco (1976), tem mestrado em Serviço Social pela Universidade Federal de Pernambuco (1984), doutorado em Serviço Social pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1995) e realizou pós-doutorado na Universidade Federal do Rio de Janeiro(2003). É Professora Titular do Departamento de Serviço Social da Universidade Federal de Pernambuco e desenvolve atividades de ensino, pesquisa e extensão, além de orientações de trabalhos de conclusão de curso em nível de Graduação e Pós-graduação (Mestrado e Doutorado).

Angela Santana do Amaral

Graduada em Serviço Social pela UFPE; Mestre em Serviço Social pela UFPE; Doutora em Serviço Social pela Universidade Federal do Rio de Janeiro; Phd em Sociologia pela Universidade Complutense de Madrid. Bolsista Produtividade do CNPq; Pesquisadora do Grupo de Estudos e Pesquisas sobre o Trabalho- GET, da UFPE. Sua área de atuação é Serviço Social e suas interfaces com o mundo do trabalho. Seus artigos versam sobre Formação Profissional do Serviço Social, Tendências do Serviço Social Contemporâneo, Sindicalismo, Precarização do Trabalho, Teoria Social. Foi coordenadora nacional de graduação da Associação Brasileira de Ensino e Serviço Social.
As transformações recentes no processo de produção e reprodução social impõem importantes desafios à formação e ao exercício profissional no âmbito do Serviço Social. É tarefa fundamental para o pensamento social crítico, no interior do Serviço Social brasileiro, analisar a realidade e extrair delas as condições para enfrentar os desafios contemporâneos. O livro organizado por Ana Elizabete Mota e Angela Amaral, Cenários, contradições e pelejas do Serviço Social brasileiro, que reúne artigos frutos de estudos e pesquisas de autores já consagrados na profissão e de uma nova geração de pesquisadores, constitui fonte imprescindível para estudantes, pesquisadores e militantes do Serviço Social. Inspirados na tradição filosófica inaugurada por Karl Marx, os autores da presente coletânea enfrentam questões teóricas e políticas contemporâneas, apresentando importantes reflexões para pensar a sociedade capitalista e o Serviço Social em pleno século 21. Para pelejar, os autores recorrem às armas da crítica, e é isso o que o leitor tem em mãos.