Conservadorismo clássico, O - elementos de caracterização e crítica
Passe o mouse na imagem para ver detalhes + Ampliar

Conservadorismo clássico, O - elementos de caracterização e crítica

Leila Escorsim Netto
  • Cód: 9788524917783

Disponível em Estoque. Entrega em 2 dias úteis para a cidade de São Paulo (para pedidos efetuados até as 11h; após este horário, entrega em 3 dias úteis).

Outras localidades: Grande São Paulo e Interior de SP: de 2 a 4 dias úteis. Outras Capitais: de 2 a 4 dias úteis. Interior de Outros Estados: de 5 a 15 dias úteis. Os pedidos serão atendidos conforme a disponibilidade de estoque.

  • Cortez Editora
  • Autor: Leila Escorsim Netto
  • ISBN: 9788524917783
  • Número de páginas: 160
  • Formato: 16.00 x 23.00
  • Peso: 260 gramas

SINOPSE Este livro, cujo público-alvo inscreve-se na área das Ciências Sociais (inclusive as aplicadas, como o Serviço Social), é uma singular contribuição ao estudo do pensamento conservador "clássico" - resume, a partir de uma perspectiva crítica, as linhas-mestras do conservadorismo de Burke, de Maistre, de Bonald, Tocqueville e Durkheim. Redigido numa linguagem clara e direta, acessível mesmo para iniciantes, o texto situa o pensamento conservador "clássico" no arco intelectual que vai da Revolução Francesa (a reação de Burke) à Terceira República (a obra de Durkheim). A autora mostra a mudança da função histórica do conservadorismo após as revoluções de 1848: revela como, de uma resposta negativa ao coroamento da revolução burguesa, o conservadorismo converteu-se em sustentáculo ídeo-teórico da sociedade erigida por aquela revolução.

Este livro, cujo público-alvo inscreve-se na área das Ciências Sociais (inclusive as aplicadas, como o Serviço Social), é uma singular contribuição ao estudo do pensamento conservador "clássico" - resume, a partir de uma perspectiva crítica, as linhas-mestras do conservadorismo de Burke, de Maistre, de Bonald, Tocqueville e Durkheim. Redigido numa linguagem clara e direta, acessível mesmo para iniciantes, o texto situa o pensamento conservador "clássico" no arco intelectual que vai da Revolução Francesa (a reação de Burke) à Terceira República (a obra de Durkheim). A autora mostra a mudança da função histórica do conservadorismo após as revoluções de 1848: revela como, de uma resposta negativa ao coroamento da revolução burguesa, o conservadorismo converteu-se em sustentáculo ídeo-teórico da sociedade erigida por aquela revolução.