Direitos e a política social, Os
Passe o mouse na imagem para ver detalhes + Ampliar

Direitos e a política social, Os

Evaldo Vieira
  • Cód: 9788524910838

Black Friday - 50%
de R$ 62,00por R$ 31,00 Economize R$ 31,00

Disponível em Estoque. Entrega em 2 dias úteis para a cidade de São Paulo (para pedidos efetuados até as 11h; após este horário, entrega em 3 dias úteis).

Outras localidades: Grande São Paulo e Interior de SP: de 2 a 4 dias úteis. Outras Capitais: de 2 a 4 dias úteis. Interior de Outros Estados: de 5 a 15 dias úteis. Os pedidos serão atendidos conforme a disponibilidade de estoque.

  • Cortez Editora
  • Autor: Evaldo Vieira
  • ISBN: 9788524910838
  • Número de páginas: 224
  • Formato: 14.00 x 21.00
  • Peso: 280 gramas

SINOPSE A igualdade e a democracia são os temas centrais deste livro. Ele demonstra que mais do que a crítica da política social, é imprescindível fazer a crítica da crítica da política social. Esta não está apartada da sociedade, da economia, da democracia ou da opressão, necessitando de método para interpretá-la. Ela nem sequer granjeou a autonomia que aparenta, como mostra a análise dos direitos, e dos direitos sociais, e ainda dos tipos de contrato social e de política econômica. Em razão dos direitos e do pouco caso de suas mediações, os tratados, as constituições e demais documentos jurídicos promulgados, solenemente, caem na realidade como declarações de intenções. Por outro lado, o contrato social de hoje já não se baseia na igualdade social, nem teoricamente, e sim na desigualdade, configurando a cidadania com desigualdade produtiva. A oposição extremada entre liberdade e autoridade no século XV||| gerou especialmente ideais mais aprimorados de governo e de Estado. Tais governos e Estados são múltiplos, configurando democracias e não a democracia, mesmo se reconhecendo igual origem teórica para elas. A história contemporânea tem assinalado a existência de cada uma e também o atrito sucedido entre elas.

Evaldo Vieira

Evaldo Vieira estudou direito, ciências sociais e letras, é doutor em ciência política pela USP e professor titular da FEUSP. Foi professor-titular na UNICAMP e na PUC-SP; é tradutor, colaborador em jornais, em revistas e em obras coletivas, e autor dos livros: Oliveira Vianna & o Estado corporativo (São Paulo: Grijalbo); Autoritarismo e corporativismo no Brasil (São Paulo: Cortez); Estado e miséria social no Brasil: de Getúlio a Geisel (São Paulo: Cortez); O que é desobediência civil (São Paulo: Brasiliense); A República brasileira: 1964-1984 (São Paulo: Moderna); Democracia e política social (São Paulo: Cortez/Autores Associados); Sociologia da educação (São Paulo: FTD); Poder político e resistência cultura (Campinas: Autores Associados); Os direitos e a política social (São Paulo: Cortez); A ditadura militar - 1964-1985, momentos da república brasileira (São Paulo: Cortez). Também foi organizador da Coleção Maurício Tragtenberg (São Paulo: Edunesp), em 10 volumes.
A igualdade e a democracia são os temas centrais deste livro. Ele demonstra que mais do que a crítica da política social, é imprescindível fazer a crítica da crítica da política social. Esta não está apartada da sociedade, da economia, da democracia ou da opressão, necessitando de método para interpretá-la. Ela nem sequer granjeou a autonomia que aparenta, como mostra a análise dos direitos, e dos direitos sociais, e ainda dos tipos de contrato social e de política econômica. Em razão dos direitos e do pouco caso de suas mediações, os tratados, as constituições e demais documentos jurídicos promulgados, solenemente, caem na realidade como declarações de intenções. Por outro lado, o contrato social de hoje já não se baseia na igualdade social, nem teoricamente, e sim na desigualdade, configurando a cidadania com desigualdade produtiva. A oposição extremada entre liberdade e autoridade no século XV||| gerou especialmente ideais mais aprimorados de governo e de Estado. Tais governos e Estados são múltiplos, configurando democracias e não a democracia, mesmo se reconhecendo igual origem teórica para elas. A história contemporânea tem assinalado a existência de cada uma e também o atrito sucedido entre elas.