Família - redes, laços e políticas públicas
Passe o mouse na imagem para ver detalhes + Ampliar

Família - redes, laços e políticas públicas

Ana Rojas Acosta, Maria Amalia Faller Vitale
  • Cód: 9788524923128

Confira algumas páginas

Disponível em Estoque. Entrega em 2 dias úteis para a cidade de São Paulo (para pedidos efetuados até as 11h; após este horário, entrega em 3 dias úteis).

Outras localidades: Grande São Paulo e Interior de SP: de 2 a 4 dias úteis. Outras Capitais: de 2 a 4 dias úteis. Interior de Outros Estados: de 5 a 15 dias úteis. Os pedidos serão atendidos conforme a disponibilidade de estoque.

  • Cortez Editora
  • Organizador: Ana Rojas Acosta, Maria Amalia Faller Vitale
  • ISBN: 9788524923128
  • Número de páginas: 352
  • Formato: 16.00 x 23.00
  • Peso: 520 gramas

SINOPSE Pensar e repensar a família é uma exigência. A família tem sido percebida como base estratégica para condução de políticas públicas, especialmente aquelas voltadas para a garantia de direitos. Nos últimos anos, observou-se uma proliferação de programas e projetos dirigidos ao atendimento das famílias. Tem-se questionado se essas iniciativas são eficientes e eficazes para o fortalecimento das competências familiares, se respondem às necessidades das próprias famílias atendidas e se contribuem para o processo de inclusão e proteção social desses grupos. A reflexão sobre esses e outros desafios certamente interessa a todos que pesquisam ou trabalham com a temática da família e das políticas sociais, nas diferentes organizações públicas ou privadas.

Ana Rojas Acosta

Pós-Doutorado em Políticas Públicas pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (2000/2003). Assistente Social formada pela Universidad San Martin de Porres (1987), mestrado em Serviço Social/Movimentos Sociais (1992) e doutorado em Serviço Social/Formação profissional e Políticas Sociais (1996) pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Tem experiência na docência do ensino superior nos níveis graduação e pós-graduação, com ênfase em Políticas Públicas Sociais, bem como na gestão educacional a nível de pós-graduação. Foi Diretora Executiva do Centro Latinoamericano de Trabajo Social - CELATS / ALAETS (órgão de educação continuada da categoria profissional de Serviço Social /Trabajo Social), Coordenou a Câmara de Pós-Graduação e Pesquisa da Unifesp - campus Baixada Santista e coordenou do Programa de Extensão Universidade e Participação Social. Atualmente faz estudos de Pós-doutoramento em Serviço Social na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, é Assessora Científica da Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado de São Paulo - FAPESP, é Líder de Pesquisa do Grupo de Estudos, Pesquisa e Extensão sobre Famílias e Políticas Públicas - NEF do CNPq e, é Professora orientadora do Curso de Pós-Graduação Stricto Sensu no Ensino das Ciências da Saúde e do Curso de Graduação em Serviço Social da Universidade Federal de São Paulo. Pesquisa principalmente os temas de: pobreza, sistema de informação, gestão social, metodologias de trabalho social com famílias e avaliação de políticas e programas.

Maria Amalia Faller Vitale

Possui graduação em Serviço Social pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1969), mestrado em Serviço Social pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1977) e doutorado em Serviço Social pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1994). Atualmente é professora assistente doutora aposentada da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Tem experiência na área de Serviço Social, com ênfase em Serviço Social Aplicado, atuando principalmente nos seguintes temas: família, psicodrama, terapia familiar, família contemporânea e casal.
Pensar e repensar a família é uma exigência. A família tem sido percebida como base estratégica para condução de políticas públicas, especialmente aquelas voltadas para a garantia de direitos. Nos últimos anos, observou-se uma proliferação de programas e projetos dirigidos ao atendimento das famílias. Tem-se questionado se essas iniciativas são eficientes e eficazes para o fortalecimento das competências familiares, se respondem às necessidades das próprias famílias atendidas e se contribuem para o processo de inclusão e proteção social desses grupos. A reflexão sobre esses e outros desafios certamente interessa a todos que pesquisam ou trabalham com a temática da família e das políticas sociais, nas diferentes organizações públicas ou privadas.