Formação da professora alfabetizadora, A - reflexões sobre a prática
Passe o mouse na imagem para ver detalhes + Ampliar

Formação da professora alfabetizadora, A - reflexões sobre a prática

Regina Leite Garcia
  • Cód: 9788524923302

Confira algumas páginas

por R$ 62,00 2x de R$ 31,00 sem juros  

Disponível em Estoque. Entrega em 2 dias úteis para a cidade de São Paulo (para pedidos efetuados até as 11h; após este horário, entrega em 3 dias úteis).

Outras localidades: Grande São Paulo e Interior de SP: de 2 a 4 dias úteis. Outras Capitais: de 2 a 4 dias úteis. Interior de Outros Estados: de 5 a 15 dias úteis. Os pedidos serão atendidos conforme a disponibilidade de estoque.

  • Cortez Editora
  • Organizador: Regina Leite Garcia
  • ISBN: 9788524923302
  • Número de páginas: 272
  • Formato: 16.00 x 23.00
  • Peso: 400 gramas

SINOPSE O grupo de pesquisa coordenado por Regina Leite Garcia vem atuando junto às professoras alfabetizadoras, numa perspectiva oposta à da desqualificação do magistério. Partem da convicção de uma capacidade e compromisso das professoras, apesar e de todos. Se não, por que continuariam no magistério recebendo salários imorais, sujeitas a péssimas condições de trabalho e desacreditadas socialmente? Este grupo de pesquisadoras põe em questão a possibilidade de se "salvar" a escola colocando antenas parabólicas e enviando kits pedagógicos para todas as escolas do país, como se a formação continuada de professores pudesse ser garantida por aparelhos de televisão e vídeo.

Regina Leite Garcia

Regina Leite Garcia é professora emérita da Universidade Federal Fluminense (UFF), pesquisadora do CNPq e coordenadora do Grupalfa - Grupo de Pesquisa Alfabetização dos alunos e alunas das classes populares.
O grupo de pesquisa coordenado por Regina Leite Garcia vem atuando junto às professoras alfabetizadoras, numa perspectiva oposta à da desqualificação do magistério. Partem da convicção de uma capacidade e compromisso das professoras, apesar e de todos. Se não, por que continuariam no magistério recebendo salários imorais, sujeitas a péssimas condições de trabalho e desacreditadas socialmente? Este grupo de pesquisadoras põe em questão a possibilidade de se "salvar" a escola colocando antenas parabólicas e enviando kits pedagógicos para todas as escolas do país, como se a formação continuada de professores pudesse ser garantida por aparelhos de televisão e vídeo.