História social da infância no Brasil
Passe o mouse na imagem para ver detalhes + Ampliar

História social da infância no Brasil

Marcos Cezar de Freitas
  • Cód: 9788524924729

Confira algumas páginas

por R$ 72,00  

Disponível em Estoque. Entrega em 2 dias úteis para a cidade de São Paulo (para pedidos efetuados até as 11h; após este horário, entrega em 3 dias úteis).

Outras localidades: Grande São Paulo e Interior de SP: de 2 a 4 dias úteis. Outras Capitais: de 2 a 4 dias úteis. Interior de Outros Estados: de 5 a 15 dias úteis. Os pedidos serão atendidos conforme a disponibilidade de estoque.

  • Cortez Editora
  • Organizador: Marcos Cezar de Freitas
  • ISBN: 9788524924729
  • Número de páginas: 448
  • Formato: 16.00 x 23.00
  • Peso: 640 gramas

SINOPSE A imagens que as ciências - da educação, da saúde, do direito, da economia etc.- elaboram e partilham em relação à infância, por vezes são "fantasmagóricas". No que toca ao ser social que querem representar, assumem tal autonomia em relação a eles que, frequentemente, sobreleva-se a impressão de que as imagens da infância são estranhas às próprias creianças. Esse "estranhamento", verificável nas mais diferentes frentes de debate, encarece uma história social da infância que, num primeiro plano, percorra a intância de permanente negociação entre sociedade, ciência, literatura e instituições que dividem (e confundem) o universo descritivo com as estruturas normativas que acompanham a criança.

Marcos Cezar de Freitas

Marcos Cezar de Freitas é Professor livre-docente do departamento de Educação da Universidade Federal de São Paulo- Unifesp. Pesquisador do CNPq. Coordenador do Programa de Pós-graduação Educação e Saúde na Infância e na Adolescência, onde dirige o LEVI - Laboratório de Estudos de Vulnerabilidades Infanto-juvenis.
A imagens que as ciências - da educação, da saúde, do direito, da economia etc.- elaboram e partilham em relação à infância, por vezes são "fantasmagóricas". No que toca ao ser social que querem representar, assumem tal autonomia em relação a eles que, frequentemente, sobreleva-se a impressão de que as imagens da infância são estranhas às próprias creianças. Esse "estranhamento", verificável nas mais diferentes frentes de debate, encarece uma história social da infância que, num primeiro plano, percorra a intância de permanente negociação entre sociedade, ciência, literatura e instituições que dividem (e confundem) o universo descritivo com as estruturas normativas que acompanham a criança.