Ideologia no livro didático
Passe o mouse na imagem para ver detalhes + Ampliar

Ideologia no livro didático

Ana Lúcia Goulart de Faria
  • Cód: 9788524925504

Confira algumas páginas

Disponível em Estoque. Entrega em 2 dias úteis para a cidade de São Paulo (para pedidos efetuados até as 11h; após este horário, entrega em 3 dias úteis).

Outras localidades: Grande São Paulo e Interior de SP: de 2 a 4 dias úteis. Outras Capitais: de 2 a 4 dias úteis. Interior de Outros Estados: de 5 a 15 dias úteis. Os pedidos serão atendidos conforme a disponibilidade de estoque.

  • Cortez Editora
  • Coleção: Nova Coleção Questões da Nossa Época
  • Autor: Ana Lúcia Goulart de Faria
  • ISBN: 9788524925504
  • Número de páginas: 128
  • Formato: 13.00 x 21.00
  • Peso: 190 gramas

SINOPSE No início dos anos 1980, eram raros os estudos sobre o livro didático. O livro de Ana Lúcia inovou discutindo sua pesquisa numa abordagem marxista e visão histórico-social. Com 16 edições já lançadas, esta obra continua contribuindo para a formação docente.
Que contribuição era essa? Já não havia então uma ideologia de gênero patriarcal, burguesa, machista? Os livros didáticos já não excluíam as mulheres e as meninas negras e não negras de seus ditos conteúdos programáticos?
Com base em uma “ameaça” aos fundamentos da família burguesa por uma “ideologia de gênero”, grupos retrógrados e moralistas promovem campanhas para a retirada dos conteúdos escolares sobre a diversidade sexual, de gênero e etnorracial, tentando afirmar hierarquias sociais e a desigualdade entre homens e mulheres. Fruto de demanda dos movimentos sociais e ancorado no princípio de que as diferenças não são sinônimo de desigualdade, não são naturais, mas construídas socialmente, essa discussão nos livros didáticos e na escola contribui com uma pedagogia antirracista e antissexista para a superação das desigualdades sociais.
A presente edição traz um importante prefácio deDécio Saes.

No início dos anos 1980, eram raros os estudos sobre o livro didático. O livro de Ana Lúcia inovou discutindo sua pesquisa numa abordagem marxista e visão histórico-social. Com 16 edições já lançadas, esta obra continua contribuindo para a formação docente.
Que contribuição era essa? Já não havia então uma ideologia de gênero patriarcal, burguesa, machista? Os livros didáticos já não excluíam as mulheres e as meninas negras e não negras de seus ditos conteúdos programáticos?
Com base em uma “ameaça” aos fundamentos da família burguesa por uma “ideologia de gênero”, grupos retrógrados e moralistas promovem campanhas para a retirada dos conteúdos escolares sobre a diversidade sexual, de gênero e etnorracial, tentando afirmar hierarquias sociais e a desigualdade entre homens e mulheres. Fruto de demanda dos movimentos sociais e ancorado no princípio de que as diferenças não são sinônimo de desigualdade, não são naturais, mas construídas socialmente, essa discussão nos livros didáticos e na escola contribui com uma pedagogia antirracista e antissexista para a superação das desigualdades sociais.
A presente edição traz um importante prefácio deDécio Saes.