Infância e violência doméstica - Fronteiras do conhecimento
Passe o mouse na imagem para ver detalhes + Ampliar

Infância e violência doméstica - Fronteiras do conhecimento

Maria Amélia Azevedo, Viviane Nogueira de Azevedo Guerra
  • Cód: 9788524924194

Confira algumas páginas

por R$ 82,00 2x de R$ 41,00 sem juros  

Disponível em Estoque. Entrega em 2 dias úteis para a cidade de São Paulo (para pedidos efetuados até as 11h; após este horário, entrega em 3 dias úteis).

Outras localidades: Grande São Paulo e Interior de SP: de 2 a 4 dias úteis. Outras Capitais: de 2 a 4 dias úteis. Interior de Outros Estados: de 5 a 15 dias úteis. Os pedidos serão atendidos conforme a disponibilidade de estoque.

  • Cortez Editora
  • Organizador: Viviane Nogueira de Azevedo Guerra, Maria Amélia Azevedo
  • ISBN: 9788524924194
  • Número de páginas: 488
  • Formato: 16.00 x 23.00
  • Peso: 710 gramas

SINOPSE Questões que pairam no ar e que a leitura desta obra pode ajudar a responder: Infância e violência doméstica: uma díade a reclamar uma compreensão histórico-crítica e uma postura emancipatória não romântica nem demagógica? Por que a família não é um lugar seguro, especialmente para crianças e adolescentes? A violência doméstica contra crianças e adolescentes pode ser o vestibular dos abusos ritualísticos? O incesto, enquanto abuso sexual infantojuvenil, tem raízes nas diferentes culturas brasileiras? A violência física contra as crianças e adolescentes no lar é universal? Por que fracassam as políticas públicas no combate à violência doméstica contra crianças e adolescentes? A pobreza bibliográfica sobre infância e violência doméstica no Brasil tem algo a ver com a "pobreza de direitos"? Qual o futuro da prevenção à violência doméstica contra crianças e adolescentes (VDCA) em nosso país?

Maria Amélia Azevedo

Pedagoga/FEUSP (Faculdade de educação da USP). Advogada/Fdusp (Faculdade de direito da USP). Doutora em Educação/Feusp (Faculdade de educação da USP). Livre-docente e titular/PUCSP (Instituto de psicologia da USP) - aposentada. Ex-coordenadora do laboratorio de estudos da criança LACRI/IPUCS (Instituto de psicologia da USP) Coordenadora científica do RECRIA projetos.

Viviane Nogueira de Azevedo Guerra

Viviane Nogueira de Azevedo Guerra, é Assistente Social da USP, trabalhando como Pesquisadora do LACRI - Laboratório de Estudos da Criança. Possui doutorado em Serviço Social pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1996). Tem experiência na área de Serviço Social, com ênfase em Serviço Social do Menor, atuando principalmente nos seguintes temas: prevenção da Violência Doméstica contra crianças e adolescentes, politica de atendimento / violencia domestica e familias substitutas. Trabalhou durante 14 anos em experiência de Educação a Distância e Violência Doméstica contra crianças e adolescentes enquanto redatora de textos teóricos e monitora do Telecurso de Especialização na área da Violência Doméstica contra crianças e Adolescentes - ministrado pelo LACRI para profissionais do Brasil, Peru, Argentina. Participou no LACRI/IPUSP de 2 Programas Quinquenais de Pesquisas sobre Compreensão/Prevenção da Violência Doméstica contra Crianças e Adolescentes - o último dos quais correspondente a um Projeto Temático amparado pela FAPESP e encerrado em 2011. É autora de 12 livros na área da Violência Doméstica contra Crianças e Adolescentes.
Questões que pairam no ar e que a leitura desta obra pode ajudar a responder: Infância e violência doméstica: uma díade a reclamar uma compreensão histórico-crítica e uma postura emancipatória não romântica nem demagógica? Por que a família não é um lugar seguro, especialmente para crianças e adolescentes? A violência doméstica contra crianças e adolescentes pode ser o vestibular dos abusos ritualísticos? O incesto, enquanto abuso sexual infantojuvenil, tem raízes nas diferentes culturas brasileiras? A violência física contra as crianças e adolescentes no lar é universal? Por que fracassam as políticas públicas no combate à violência doméstica contra crianças e adolescentes? A pobreza bibliográfica sobre infância e violência doméstica no Brasil tem algo a ver com a "pobreza de direitos"? Qual o futuro da prevenção à violência doméstica contra crianças e adolescentes (VDCA) em nosso país?