João Cabral & Josué de Castro conversam sobre o Recife
Passe o mouse na imagem para ver detalhes + Ampliar

João Cabral & Josué de Castro conversam sobre o Recife

Teresa Sales
  • Cód: 9788524922862

Confira algumas páginas

Disponível em Estoque. Entrega em 2 dias úteis para a cidade de São Paulo (para pedidos efetuados até as 11h; após este horário, entrega em 3 dias úteis).

Outras localidades: Grande São Paulo e Interior de SP: de 2 a 4 dias úteis. Outras Capitais: de 2 a 4 dias úteis. Interior de Outros Estados: de 5 a 15 dias úteis. Os pedidos serão atendidos conforme a disponibilidade de estoque.

  • Cortez Editora
  • Autor: Teresa Sales
  • ISBN: 9788524922862
  • Número de páginas: 118
  • Formato: 16.00 x 23.00
  • Peso: 230 gramas

SINOPSE Eram seis horas da noite de uma terça-feira de Julho de 1956. A chuva fina e intermitente que molhava ruas e calçadas marcava o final do expediente, com guarda-chuvas a se atrapalharem uns nos outros. João Cabral chegou antes e foi cumprimentando por vários que o convidaram para sentar à mesa do bar Savoy. Ele preferiu uma ainda não ocupada, para o tão esperado encontro com Josué de Castro. Assim começa o livro de Teresa Sales. Partindo de uma conversa que nunca houve, escutada por um terceiro personagem, aborda o diálogo entre as obras do poeta e as do ensaísta sobre o Recife. Resgata ainda material inédito sobre a encenação da peça Morte e vida severina na Europa.

Teresa Sales

Teresa Sales é socióloga. Atualmente mora no Recife e é diretora-presidente do Centro Josué de Castro. Doutora pela USP e Professora Livre-Docente pela Unicamp, onde lecionou até 2.005, foi também visiting scholar do MIT (1.990/1.991 e 1.995/1.996) e de Harvard (2.000). É autora de Brazilians away from Home (New York, Center for Migration Studies, 2.003); Brasileiros Longe de casa (São Paulo, Cortez 1.999); Agreste, Agrestes: transformações recentes na agricultura nordestina (Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1.982); Cassacos e Corumbas (São Paulo, Ática, 1.977).
Eram seis horas da noite de uma terça-feira de Julho de 1956. A chuva fina e intermitente que molhava ruas e calçadas marcava o final do expediente, com guarda-chuvas a se atrapalharem uns nos outros. João Cabral chegou antes e foi cumprimentando por vários que o convidaram para sentar à mesa do bar Savoy. Ele preferiu uma ainda não ocupada, para o tão esperado encontro com Josué de Castro. Assim começa o livro de Teresa Sales. Partindo de uma conversa que nunca houve, escutada por um terceiro personagem, aborda o diálogo entre as obras do poeta e as do ensaísta sobre o Recife. Resgata ainda material inédito sobre a encenação da peça Morte e vida severina na Europa.