Lukács e a crítica ontológica ao direito
Passe o mouse na imagem para ver detalhes + Ampliar

Lukács e a crítica ontológica ao direito

Vitor Bartoletti Sartori
  • Cód: 9788524916175

Disponível em Estoque. Entrega em 2 dias úteis para a cidade de São Paulo (para pedidos efetuados até as 11h; após este horário, entrega em 3 dias úteis).

Outras localidades: Grande São Paulo e Interior de SP: de 2 a 4 dias úteis. Outras Capitais: de 2 a 4 dias úteis. Interior de Outros Estados: de 5 a 15 dias úteis. Os pedidos serão atendidos conforme a disponibilidade de estoque.

  • Cortez Editora
  • Autor: Vitor Bartoletti Sartori
  • ISBN: 9788524916175
  • Número de páginas: 128
  • Formato: 16.00 x 23.00
  • Peso: 200 gramas

SINOPSE Aqui, buscam-se os fundamentos da compreensão do Direito na sociedade capitalista. Tratando da ontologia lukacsiana, também se presta a análise da derradeira obra do filósofo húngaro, cujo estudo ganha destaque no Brasil e no mundo. Assim, o presente livro se dirige a todos aqueles que procuram uma compreensão dialética da sociedade capitalista, impensável sem o Direito. É leitura essencial para estudiosos de Direito, mas nãos e dirige a esses somente, pois não pensa a teoria partindo da problemática “jurídica” – antes, mostra-se como o próprio âmbito “jurídico” emerge. Por conseguinte, a obra é acessível a todos, não pressupondo qualquer tipo de conhecimento ”técnico-jurídico” – pode-se mesmo dizer que não se trata de um estudo em que o Direito é central, pois se realiza uma crítica a esse envolvendo-o na totalidade das relações sociais que permeiam a sociedade.

Aqui, buscam-se os fundamentos da compreensão do Direito na sociedade capitalista. Tratando da ontologia lukacsiana, também se presta a análise da derradeira obra do filósofo húngaro, cujo estudo ganha destaque no Brasil e no mundo. Assim, o presente livro se dirige a todos aqueles que procuram uma compreensão dialética da sociedade capitalista, impensável sem o Direito. É leitura essencial para estudiosos de Direito, mas nãos e dirige a esses somente, pois não pensa a teoria partindo da problemática “jurídica” – antes, mostra-se como o próprio âmbito “jurídico” emerge. Por conseguinte, a obra é acessível a todos, não pressupondo qualquer tipo de conhecimento ”técnico-jurídico” – pode-se mesmo dizer que não se trata de um estudo em que o Direito é central, pois se realiza uma crítica a esse envolvendo-o na totalidade das relações sociais que permeiam a sociedade.