Manifestações e protestos no Brasil - Correntes e contracorrentes na atualidade
Passe o mouse na imagem para ver detalhes + Ampliar

Manifestações e protestos no Brasil - Correntes e contracorrentes na atualidade

Maria da Glória Gohn
  • Cód: 9788524925276
1% [1]

por R$ 36,00  

Disponível em Estoque. Entrega em 2 dias úteis para a cidade de São Paulo (para pedidos efetuados até as 11h; após este horário, entrega em 3 dias úteis).

Outras localidades: Grande São Paulo e Interior de SP: de 2 a 4 dias úteis. Outras Capitais: de 2 a 4 dias úteis. Interior de Outros Estados: de 5 a 15 dias úteis. Os pedidos serão atendidos conforme a disponibilidade de estoque.

  • Cortez Editora
  • Coleção: Coleção Questões da Nossa Época
  • Autor: Maria da Glória Gohn
  • ISBN: 9788524925276
  • Número de páginas: 128
  • Formato: 14.00 x 21.00
  • Peso: 130 gramas

SINOPSE O livro aborda manifestações e protestos no Brasil, de junho de 2013 ao impeachment em 2016. Três momentos são observados com alterações significativas entre eles: atores/sujeitos sociopolíticos, repertórios, correntes político-ideológicas e a cultura política vigente. São analisados três novíssimos movimentos: Passe Livre (MPL), Vem Pra Rua (VPR) e o Movimento Brasil Livre (MBL), com perfil sociopolítico e ideológico diferenciados, advindos do autonomismo ou do liberalismo. Focalizam-se também protestos no campo da educação, especialmente as ocupações de escolas da rede pública. As ruas se transformam em territórios de cidadania, mas também deavaliação pública dos políticos, governos e partidos, criam-se novas práticas de agir via recursos tecnológicos. A organização ao redor de redes possibilita novas dinâmicas aos protestos sociais, que fogem do controle de organizações institucionalizadas, alterando a lógica das ações coletivas.

Maria da Glória Gohn

Maria da Gloria Gohn, graduada em Sociologia e Política, doutora em Ciência Política pela Universidade de São Paulo, fez pós-doutorado na New School of University, New York. Professora titular da Faculdade de Educação da Universidade de Campinas e do Programa de Pós-graduação em Educação da Uninove. Pesquisadora I do CNPq. Vice-presidente do Research Committee Social Movements and Social Classes da Associação Internacional de Sociologia. Em 2010 teve sua autobiografia selcionada e publicada no DESSA- Dictionary of Eminents Social Sciences Scientists da Fundação Mattei Dogan, Paris. Entre suas publicações, destacam-se: História das Lutas e Movimentos Sociais (Loyola, 2011); Teoria dos Movimentos Sociais (Loyola, 2011); Novas Teorias dos Movimentos Sociais (Loyola, 2011); Movimentos Sociais e Redes de Mobilizações Civis (Vozes, 2010); Educação Não Formal e o Educador Social (Cortez, 2010); Movimentos Sociais no Início do Século XXI (Vozes, 2010); Movimentos Sociais e Educação (Cortez, 2009); O Proagonismo da Sociedade Civil: Movimentos Sociais, ONGs e Redes Solidárias (Cortez, 2008); Educação Não Formal e Cultura Política (Cortez, 2011); Mídia, Terceiro Setor e MST (Vozes, 2000); Os Sem-Terra, ONGs e Cidadania (Cortez, 2003).
O livro aborda manifestações e protestos no Brasil, de junho de 2013 ao impeachment em 2016. Três momentos são observados com alterações significativas entre eles: atores/sujeitos sociopolíticos, repertórios, correntes político-ideológicas e a cultura política vigente. São analisados três novíssimos movimentos: Passe Livre (MPL), Vem Pra Rua (VPR) e o Movimento Brasil Livre (MBL), com perfil sociopolítico e ideológico diferenciados, advindos do autonomismo ou do liberalismo. Focalizam-se também protestos no campo da educação, especialmente as ocupações de escolas da rede pública. As ruas se transformam em territórios de cidadania, mas também deavaliação pública dos políticos, governos e partidos, criam-se novas práticas de agir via recursos tecnológicos. A organização ao redor de redes possibilita novas dinâmicas aos protestos sociais, que fogem do controle de organizações institucionalizadas, alterando a lógica das ações coletivas.

Avaliações dos clientes

GERVESON TRAMONTIN SILVEIRA 22/11/2017

Excelente, por que destaca novo formato de organização social e publiciza que a sociedade manifesta sempre que achar necessário.
100%