Meninas e território - Criminalização da pobreza e seletividade jurídica
Passe o mouse na imagem para ver detalhes + Ampliar

Meninas e território - Criminalização da pobreza e seletividade jurídica

Joana das Flores Duarte
  • Cód: 9788524927058

Confira algumas páginas

por R$ 48,00  

Disponível em Estoque. Entrega em 2 dias úteis para a cidade de São Paulo (para pedidos efetuados até as 11h; após este horário, entrega em 3 dias úteis).

Outras localidades: Grande São Paulo e Interior de SP: de 2 a 4 dias úteis. Outras Capitais: de 2 a 4 dias úteis. Interior de Outros Estados: de 5 a 15 dias úteis. Os pedidos serão atendidos conforme a disponibilidade de estoque.

  • Cortez Editora
  • Coleção: Coleção Temas Sociojurídicos
  • Autor: Joana das Flores Duarte
  • ISBN: 9788524927058
  • Número de páginas: 144
  • Formato: 16.00 x 23.00
  • Peso: 220 gramas

SINOPSE O presente livro visa preencher uma lacuna na produção teórica sobre a criminalização da pobreza e seletividade jurídica na perspectiva de gênero, trazendo ao público um estudo sobre jovens do sexo feminino no mercado informal e ilícito de drogas, como uma nova expressão do desmantelamento do Estado Social, denunciando as expressões da penalidade neoliberal e o seu fortalecimento nos territórios pobres. As vozes dessas jovens publicizam como a sociedade e o Estado brasileiro compelem a massa empobrecida a ocupar os piores postos de trabalho, a ter as piores condições de vida, contrastando passado e presente, riqueza e pobreza como fenômenos intrínsecos. Este livro tem como público-alvo profissionais e estudantes atuantes na arte sociojurídica, mas é também, indispensável aos interessados no desvendamento das contradições dessa realidade invisibilizada no tocante à garantia e exigibilidade do direito humano à proteção social.

O presente livro visa preencher uma lacuna na produção teórica sobre a criminalização da pobreza e seletividade jurídica na perspectiva de gênero, trazendo ao público um estudo sobre jovens do sexo feminino no mercado informal e ilícito de drogas, como uma nova expressão do desmantelamento do Estado Social, denunciando as expressões da penalidade neoliberal e o seu fortalecimento nos territórios pobres. As vozes dessas jovens publicizam como a sociedade e o Estado brasileiro compelem a massa empobrecida a ocupar os piores postos de trabalho, a ter as piores condições de vida, contrastando passado e presente, riqueza e pobreza como fenômenos intrínsecos. Este livro tem como público-alvo profissionais e estudantes atuantes na arte sociojurídica, mas é também, indispensável aos interessados no desvendamento das contradições dessa realidade invisibilizada no tocante à garantia e exigibilidade do direito humano à proteção social.