Mulheres não devem ficar em silêncio
Passe o mouse na imagem para ver detalhes + Ampliar

Mulheres não devem ficar em silêncio

Ana Mae Barbosa, VITORIA AMARAL
  • Cód: 9788524927225

Confira algumas páginas

por R$ 89,00 2x de R$ 44,50 sem juros  

Disponível em Estoque. Entrega em 2 dias úteis para a cidade de São Paulo (para pedidos efetuados até as 11h; após este horário, entrega em 3 dias úteis).

Outras localidades: Grande São Paulo e Interior de SP: de 2 a 4 dias úteis. Outras Capitais: de 2 a 4 dias úteis. Interior de Outros Estados: de 5 a 15 dias úteis. Os pedidos serão atendidos conforme a disponibilidade de estoque.

  • Cortez Editora
  • Organizador: Ana Mae Barbosa, VITORIA AMARAL
  • ISBN: 9788524927225
  • Número de páginas: 440
  • Formato: 16.00 x 23.00
  • Peso: 640 gramas

SINOPSE Este livro trata do ensino da Arte e do Design, tendo como protagonistas as mulheres. A primeira parte analisa a recepção das mulheres na Escola de Arte e Design de Glasgow e na Bauhaus. Enquanto na primeira elas eram bem recebidas, embora tenham sido apagadas da História, na Bauhaus foram relegadas ao ateliê de cerâmica e ao de tapeçaria. Marta Erps-Breuer, ex-aluna da Bauhaus e ex-mulher de Marcel Breuer, trabalhou como designer científica até 1974, na Universidade de São Paulo (USP), sem que os cursos de Arte a tivessem descoberto. Até hoje suas tapeçarias são vendidas em galerias de arte na Alemanha. Na segunda parte, vários autores falam das mulheres Arte/Educadoras que iniciaram seu trabalho ou que estavam no auge de suas carreiras nos anos 1960. Por fim, na terceira parte, diversos Arte/ Educadores publicam entrevistas com mulheres que foram responsáveis pela modernização do Ensino das Artes Visuais. Conforme afirma a especialista em design Joice Joppert Leal no prefácio, o livro tenta “resgatar o papel transformador das mulheres na História da Arte, além de suprir a lacuna de pesquisas sobre o assunto para amparar os que ajudarão a escrever esta nova História”.

Ana Mae Barbosa

Ana Mae Tavares Bastos Barbosa, Professora Titular do Departamento de Artes Plásticas da Universidade de São Paulo, atuando no Mestrado e Doutorado em Arte-Educação que criou na USP e no Núcleo de Cultura e Extensão em Promoção da Arte na Educação da Escola de Comunicação e Artes da USP. Foi presidente da International Society of Education Through Art (1990-93) e Diretora do Museu de Arte Contemporânea da USP (1987-93). Publicou doze livros sobre Arte e Arte-Educação, sendo os últimos Tópicos Utópicos (Com-arte, 1998) e Arte-Educação: leitura no subsolo (Cortez, 1999).
Recebeu o prêmio Edwin Ziegfeld nos Estados Unidos (1992) e o Prêmio Internacional Herbert Read (1999). Em 2001 foi escolhida para dar a Studies in Art Education's Lecture, distinção conferida pela primeira vez a um estrangeiro nos 50 anos de existência da Associação.

VITORIA AMARAL

Pós-Doutora em Arte/educação e Feminismo pelo Instituto de Investigaciónes Feministas de la Universidad Complutense de Madrid (2012). Doutora em artes pela Universidade de São Paulo (2005). Mestre em Antropologia pela Universidade Federal de Pernambuco (2000). Graduada em Educação Artística pela Universidade Federal de Pernambuco (1987). Atualmente é Coordenadora do Programa Associado de Pós-Gradução em Artes Visuais UFPE/UFPB e professora do curso de Artes Visuais da UFPE. É Vice-Líder do Núcleo Interdisciplinar de Estudos e Pesquisas sobre o Imaginário.Tem experiência na área de Artes, com ênfase em arte/educação, atuando principalmente nos seguintes temas: arte/educação, gênero, cultura, educação e antropologia do imaginário. Foi Presidente eleita da Federação de Arte/educadores do Brasil (FAEB) (2013-2015), da International Society of Education through Arts (InSEA) e da Red Iberoamericana de Representaciónes y Imaginários (RIIR).
Este livro trata do ensino da Arte e do Design, tendo como protagonistas as mulheres. A primeira parte analisa a recepção das mulheres na Escola de Arte e Design de Glasgow e na Bauhaus. Enquanto na primeira elas eram bem recebidas, embora tenham sido apagadas da História, na Bauhaus foram relegadas ao ateliê de cerâmica e ao de tapeçaria. Marta Erps-Breuer, ex-aluna da Bauhaus e ex-mulher de Marcel Breuer, trabalhou como designer científica até 1974, na Universidade de São Paulo (USP), sem que os cursos de Arte a tivessem descoberto. Até hoje suas tapeçarias são vendidas em galerias de arte na Alemanha. Na segunda parte, vários autores falam das mulheres Arte/Educadoras que iniciaram seu trabalho ou que estavam no auge de suas carreiras nos anos 1960. Por fim, na terceira parte, diversos Arte/ Educadores publicam entrevistas com mulheres que foram responsáveis pela modernização do Ensino das Artes Visuais. Conforme afirma a especialista em design Joice Joppert Leal no prefácio, o livro tenta “resgatar o papel transformador das mulheres na História da Arte, além de suprir a lacuna de pesquisas sobre o assunto para amparar os que ajudarão a escrever esta nova História”.