Oralidade e alfabetização - uma nova abordagem da alfabetizalção e do letramento
Passe o mouse na imagem para ver detalhes + Ampliar

Oralidade e alfabetização - uma nova abordagem da alfabetizalção e do letramento

Claudemir Belintane
  • Cód: 9788524920301

por R$ 52,00  

Disponível em Estoque. Entrega em 2 dias úteis para a cidade de São Paulo (para pedidos efetuados até as 11h; após este horário, entrega em 3 dias úteis).

Outras localidades: Grande São Paulo e Interior de SP: de 2 a 4 dias úteis. Outras Capitais: de 2 a 4 dias úteis. Interior de Outros Estados: de 5 a 15 dias úteis. Os pedidos serão atendidos conforme a disponibilidade de estoque.

  • Cortez Editora
  • Autor: Claudemir Belintane
  • ISBN: 9788524920301
  • Número de páginas: 224
  • Formato: 16.00 x 23.00
  • Peso: 340 gramas

SINOPSE Qual o potencial da cultura oral na alfabetização? Por que este autor critica com veemência o uso dos chamados gêneros discursivos do cotidiano (receitas, bulas, logomarcas, bilhetes etc.) e tanto insiste na força da função poética e das narrativas? Há espaços hoje para uma metodologia de alfabetização e de ensino da escrita que cultive desde cedo a "palavra esperta", as ambiguidades da língua e das linguagens e que enfrente as dificuldades de aprendizagem e a heterogeneidade das turmas? Que condições essa metodologia exigiria do sistema escolar, da escola e do grupo de professores? Estas e outras questões são respondidas ou polemizadas neste livro.

Claudemir Belintane

Claudemir Belintane é docente e pesquisador da Faculdade de Educação da USP, onde há 15 anos ensina e pesquisa no campo da oralidade, da leitura e da escrita. Atua na Educação desde o início da carreira (1986), lecionando Língua e Literatura no ensino fundamental. Na úlitma década, dedicou boa parte de seu tempo pesquisando o campo da alfabetização e do letramento, levando em conta um conceito de subjetividade erigido entre a Linguística, a Psicanálise e a Educação. Suas publicações aparecem em revistas científicas, algumas disponíveis no Scielo (http://www.scielo.br/) e procuram sempre explorar os potenciais da tradição oral infantil no ensino da escrita.
Qual o potencial da cultura oral na alfabetização? Por que este autor critica com veemência o uso dos chamados gêneros discursivos do cotidiano (receitas, bulas, logomarcas, bilhetes etc.) e tanto insiste na força da função poética e das narrativas? Há espaços hoje para uma metodologia de alfabetização e de ensino da escrita que cultive desde cedo a "palavra esperta", as ambiguidades da língua e das linguagens e que enfrente as dificuldades de aprendizagem e a heterogeneidade das turmas? Que condições essa metodologia exigiria do sistema escolar, da escola e do grupo de professores? Estas e outras questões são respondidas ou polemizadas neste livro.