Psicoativos (drogas) e serviço social - uma crítica ao proibicionismo
Passe o mouse na imagem para ver detalhes + Ampliar

Psicoativos (drogas) e serviço social - uma crítica ao proibicionismo

Cristina Brites
  • Cód: 9788524925931

Confira algumas páginas

por R$ 55,00  

Disponível em Estoque. Entrega em 2 dias úteis para a cidade de São Paulo (para pedidos efetuados até as 11h; após este horário, entrega em 3 dias úteis).

Outras localidades: Grande São Paulo e Interior de SP: de 2 a 4 dias úteis. Outras Capitais: de 2 a 4 dias úteis. Interior de Outros Estados: de 5 a 15 dias úteis. Os pedidos serão atendidos conforme a disponibilidade de estoque.

  • Cortez Editora
  • Autor: Cristina Brites
  • ISBN: 9788524925931
  • Número de páginas: 256
  • Formato: 16.00 x 23.00
  • Peso: 380 gramas

SINOPSE Esta é uma obra necessária, tanto para o Serviço Social como para as áreas de Educação, Saúde e Ciências Sociais e para todas(os) lutadoras(es) sociais no país, bastando observar o número de vítimas da “guerra às drogas”, diretas e indiretas, que implicam no extermínio de jovens pobres, em sua maioria negros, entre 15 e 25 anos. A corajosa crítica do proibicionismo realizada pela autora, em tempos de intensa criminalização e medicalização imposta aos usuários, por exemplo, por Doria em São Paulo nas violentas ações na “cracolândia” (2017), e em tempos de perseguição dos comportamentos engendrada pela onda conservadora, os argumentos de Cristina Brites precisam ser conhecidos, discutidos. Especialmente para o Serviço Social, convocado a atuar junto a esses segmentos, seja nos espaços geopolíticos segregados e dominados pelo tráfico, seja nos serviços de saúde, educação e assistência social. Trata-se de um livro que vai incomodar opiniões formadas, e o(a) leitor(a) não será o(a) mesmo(a) ao chegar no final.

Esta é uma obra necessária, tanto para o Serviço Social como para as áreas de Educação, Saúde e Ciências Sociais e para todas(os) lutadoras(es) sociais no país, bastando observar o número de vítimas da “guerra às drogas”, diretas e indiretas, que implicam no extermínio de jovens pobres, em sua maioria negros, entre 15 e 25 anos. A corajosa crítica do proibicionismo realizada pela autora, em tempos de intensa criminalização e medicalização imposta aos usuários, por exemplo, por Doria em São Paulo nas violentas ações na “cracolândia” (2017), e em tempos de perseguição dos comportamentos engendrada pela onda conservadora, os argumentos de Cristina Brites precisam ser conhecidos, discutidos. Especialmente para o Serviço Social, convocado a atuar junto a esses segmentos, seja nos espaços geopolíticos segregados e dominados pelo tráfico, seja nos serviços de saúde, educação e assistência social. Trata-se de um livro que vai incomodar opiniões formadas, e o(a) leitor(a) não será o(a) mesmo(a) ao chegar no final.